Fazer gestão empresarial é uma tarefa que exige muita atenção, dedicação e engajamento da equipe. Por isso é fundamental que todos os colaboradores estejam motivados, com equipamentos e ambiente adequados para a execução da tarefa, em alta performance.

Um ponto fundamental para que isso aconteça está ligado diretamente ao conforto e bem-estar, fatores essenciais para manter a produtividade alta. Assim, torna-se necessário ter atenção a Ergonomia. 

Um dos maiores fatores que causam baixos resultados das equipes é o afastamento. Manter a equipe motivada significa não somente ter colaboradores engajados com o projeto e o propósito da empresa, mas também ter um ambiente completamente favorável ao seu bem-estar e sua produtividade. 

Como falei no título desse texto, os prejuízos gerados por um ambiente de trabalho com ergonomia ruim são altos e você pode evitar. Desenvolvemos projetos de arquitetura corporativa para grandes empresas há mais de 30 anos e sei o que fazer para resolver. Agora queremos ajudar você.

Investir em estratégias que visam coibir, prevenir e corrigir problemas de ergonomia diminuem, por exemplo, o número de processos na esfera judicial.

Isso acontece devido à redução no número de afastamentos médicos. Afinal, se no ambiente de trabalho há uma eficiente gestão em ergonomia, dificilmente surgirão afastamentos médicos oriundos do trabalho.

Com isso, diminui simultaneamente o número de colaboradores que entram com ações contra as empresas por conta dos danos à saúde.

Esses custos judiciais são salgados e representam, muitas vezes, um atraso muito grande para o crescimento das empresas.

Uma empresa que possua um bom projeto de ergonomia eficaz tende a ter uma equipe mais motivada. Colaboradores mais motivados rendem mais. O que por si só traz benefícios às empresas.

Para entender melhor como um projeto que valoriza a ergonomia pode interferir no rendimento da equipe, vamos usar um exemplo fictício:

Anderson é um colaborador de uma grande empresa, ele no momento convive diariamente com dores nas costas, que surgiram poucos meses após iniciar na nova empresa.

Essas dores com o tempo agravaram-se e se tornaram um desafio diário para ele.

Com o tempo, Anderson começou a diminuir seu rendimento, pois as dores tiravam o seu foco e diminuíram sua capacidade de exercer sua função com tranquilidade e eficiência.

Não durou muito para que Anderson ficasse insatisfeito com a situação. Ele se tornou um colaborador que produz pouco e que contagia negativamente seus colegas de trabalho com suas frequentes críticas à empresa e desabafos relacionados às dores.

Se a empresa que o Anderson trabalha investisse em um projeto de arquitetura corporativa, que valoriza resultados e bem-estar dos colaboradores, os problemas relacionados à saúde de Anderson seriam detectados de forma mais rápida e precoce, evitando um funcionário insatisfeito, produzindo pouco e que pode contaminar a equipe.

Agora, pense com calma, em uma empresa que não investe em um projeto de arquitetura corporativa eficiente, quantos “Andersons” e prejuízos podem estar impedindo essa empresa de crescer, ou mesmo de se manter ativa?

Pensando em problemas como esse e gestores como você, criamos uma série de 3 vídeos onde falamos sobre fatores, além da ergonomia, que podem te ajudar a evitar esses prejuízos na sua empresa. Precisa de um projeto personalizado para sua empresa? Fale conosco contato@acarquitetura.com.br

A nossa equipe vai ajudar a sua a produzir mais e melhor.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *